Artigos



Curso de capacitação profissional, acerca das fundamentações teóricas e procedimentos práticos de A.P.H – Atendimento Pré-hospitalar e P.C.P.I – Prevenção e Combate a Princípios de Incêndio.

Realizado no(s) dia(s): 09 à 12/09/2015

Curso de capacitação profissional, acerca dos procedimentos de segurança e saúde nos trabalhos em espaços confinados voltado para empregado autorizado e vigia.

Realizado no(s) dia(s): 09 e 10/09/2015

Curso de capacitação profissional, acerca dos procedimentos de segurança no armazenamento e operações com líquidos combustíveis e inflamáveis (Nível Básico).

Realizado no dia: 11/09/2015

A segurança das pessoas sempre em primeiro lugar. E é por isso que o mercado de segurança oferece muitas opções e de baixo custo que atuam na preservação e do bem estar físico das pessoas. Um bom exemplo de prevenção para espaços deslizantes ou com inclinação acentuada é o uso de fita antiderrapante. O produto pode ser utilizado como aparato de segurança.

De modo geral, a fita antiderrapante tem o formato de lixa e é de alta resistência e fácil aplicação. O produto pode ser aplicado em áreas internas e externas.

Para cada espaço é necessário verificar o tipo de fita apropriada. Em alguns casos, é necessário uma fita fosforescente para proteção no escuro e em casos de falta de energia. Esse tipo de fita absorve a luz natural e artificial e emiti-la ao longo da noite por um período de até 6h.

Os investimentos em segurança nas empresas, além de proporcionarem uma sensação de proteção física, também livram a empresa de possíveis acidentes internos com funcionários em período de trabalho. A negligência de fatores simples pode ter um alto custo para a empresa e um prejuízo ainda maior para o bem-estar físico do trabalhador.  Em residências, os cuidados principais se referem à proteção de crianças e idosos.

Os investimentos em segurança do trabalho nas empresas é essencial. Além de proporcionarem uma sensação de proteção física, também livram a empresa de possíveis acidentes internos com funcionários em período de trabalho.

O extintor é o meio mais adequado para combater um incêndio na sua fase inicial. Usado de forma adequada pode salvar vidas, extinguir um fogo ou controlá-lo até a chegada dos bombeiros. Ele pode, no entanto, ser um equipamento de baixa eficácia se seu operador não for treinado para utilizá-lo.

A eficácia que se pode obter no combate ao fogo, está diretamente ligada ao procedimento adotado no manuseio do extintor. Siga a seqüência numérica e aprenda, passo a passo, uma maneira fácil e eficiente de combater o fogo:

  1. Puxe a trava de segurança
  2. Aponte o bocal da mangueira do extintor para a base das chamas
  3. Mantenha o extintor na posição vertical e aperte o gatilho.
  4. Movimente a mangueira de um lado para o outro e aplique o agente extintor sobre a área do fogo.

Se você não estiver apto a fazer uso de um extintor no combate a um incêndio, é melhor não tentar. No entanto se você estiver resolvido a fazê-lo, e notar, no decorrer de sua tentativa, que o fogo está espalhando ou ameaçando bloquear a sua alternativa de fuga, DEIXE A ÁREA IMEDIATAMENTE. Caso haja fogo no seu percurso, use o extintor para combatê-lo.

Diariamente milhões de pessoas têm suas vidas ceifadas por conta do fogo. Para que você não se torne mais uma vitima, procure conhecer os meios mais eficazes de como combatê-lo. Aprenda sobre quais as classes de fogo e procure se certificar dos pormenores do plano de Ação de Emergência de sua empresa. Informe-se a respeito da localização dos Extintores de incêndio e aprenda a utilizar o extintor adequado no combate a cada tipo de fogo. Devemos estar conscientes de que, com relação ao fogo, nem sempre temos uma segunda chance.

Caso esteja interessado em matricular-se no curso de brigada de incêndio ou no Curso de primeiros socorros em Recife basta entrar em contato com a equipe Treinandos – cursos de segurança do trabalho.

 Para se fazer a manutenção em extintores as empresas devem ter um Registro de Aptidão desse tipo de serviço junto ao Inmetro.

  • A empresa interessada em obter o registro deve enviar ao Inmetro algumas informações como:
  • Manual de Procedimento;
  • Manual de Qualidade;
  • Lista dos Equipamentos para montagem e desmontagem dos extintores;
  • Relação dos funcionários técnicos e treinados para realização do serviço de manutenção, bem como toca a sua estrutura organizacional, que deverá estar adequada para que esses funcionários não fiquem expostos aos riscos e danos dentro do ambiente de trabalho.

É preciso lembrar que a manutenção deve ocorrer sempre após o uso do extintor e somente poderá ser executada por uma empresa registrada no Inmetro, com seus devidos selos e lacres exigidos para se ter uma garantia de bom funcionamento.

Para garantir que será realizado todo serviço necessário na manutenção de um extintor; normalmente é utilizado um check list em que são anotadas as características dos extintores em manutenção e os procedimentos realizados. Essa ficha deve ficar arquivada na empresa para auxiliar em manutenção e inspeções futuras.

É importante lembrar, também, que o Inmetro acompanha o trabalho dessas empresas registradas por meio de relatórios mensais. Nesses relatórios é mostrado todo o controle de produção da empresa, conseguindo, dessa maneira, evitar a realização de serviços da má qualidade na manutenção dos extintores.

Todos os estabelecimentos comerciais devem realizar inspeções visuais mensais em seus extintores, conforme Norma Regulamentadora nº 23, tendo, assim, maior garantia que seus extintores, em eventual necessidade de uso, funcionarão adequadamente.

Caso haja alguma irregularidade, o estabelecimento deve entrar em contato com a empresa que fez sua manutenção para reparar o dano.

Para se fazer a manutenção em extintores as empresas devem ter um Registro de Aptidão desse tipo de serviço junto ao Inmetro.

Apesar de estar em vigor há três anos, a Lei 11.337 ainda não é aplicada com rigor nas edificações. A lei exige que a tomada tenha três furos e que o plugue, parte de fora dos equipamentos, deve ter o terceiro pino, também exigido pela norma para instalações elétricas para baixa tensão (NBR 5410).

Pesquisa realizada pelo Procobre revelou que 98% das instalações avaliadas no Estado de São Paulo não possuem fio-terra. Nas instalações industriais não existem tantos problemas, mas nos prédios antigos não existe nem o condutor de proteção.

Saiba aqui qual importância de um aterramento e como fazê-lo.

Comentários mais recentes